1ª Jornada de Sementeira de Bolota

Longamente esperada, chegou finalmente a primeira jornada dedicada à sementeira de bolota, uma jornada para a qual apelámos a uma participação especialmente generosa, não, é claro, para ganhar um lugar no pódio da Grande Bolotada Ibérica, mas porque temos muitas bolotas para semear, e onde as semear.

As bolotas foram retiradas da câmara frigorífica onde tinham ficado guardadas desde a colheita e uma parte esteve de molho na noite anterior à sementeira numa solução com um repelente de roedores, numa tentativa experimental de diminuir a predação sobre as bolotas semeadas. Um inconveniente desta medida é que a solução é irritante para a pele, olhos, nariz, etc, não obstante ser feita à base de extractos de plantas. Isto é, é uma solução “repelente” também para os humanos, o que torna um pouco mais desagradável o trabalho de sementeira e requer alguns cuidados.

Os trabalhos iniciaram-se perto do Feridouro, com a presença de uma equipa de reportagem do canal televisão SIC, que acompanhou o arranque da iniciativa. Naturalmente, começou-se com um momento de formação.

P_20191026_095942
Momento de formação sobre sementeira de bolota

Aqui fica também a ligação para a peça de reportagem da SIC.

Depois de um “ensaio” numa pequena várzea junto ao ribeiro ainda a “transpirar” mimosas, a equipa passou a uma parcela “a sério”, uma encosta de quase 3 ha voltada para norte, para a aldeia do Feridouro. Esta parcela, ardida em 2017, ainda tem rebentos de eucalipto, que serão removidos gradualmente, e tem também um matagal denso e difícil de atravessar, que por isso foi já em parte cortado por uma equipa de sapadores florestais. Esta é uma das já raras parcelas onde não entrou uma máquina de mobilização do solo, nem sequer de dentes, e, talvez em parte por isso, é também um dos já raros locais da freguesia onde se podem encontrar pés de azevinho espontâneo. Por aqui se andou o resto da manhã, progredindo de nascente para poente.

P_20191026_104549
Depois de um pequeno ensaio junto ao ribeiro, a equipa atravessou para a outra margem…
P_20191026_104712
… para ir semear uma encosta a sul do ribeiro.
DSC00764
Semeando entre rebentos de eucalipto e não só…
DSC00768
…para além de carvalhos e amieiros negros, encontram-se também alguns azevinhos.

O almoço foi outra vez à mesa na base de operações da Quinta das Tílias, porque à tarde andaríamos por mais perto de Belazaima.

P_20191026_135845
À mesa…
P_20191026_142022
… com algumas iguarias trazidas pelos voluntários.

A área alvo foi agora uma área delimitada pelo vale do Lousadelo e pela represa de regadio, no Ribeiro de Belazaima. Os eucaliptos aqui existentes foram alvo de uma aplicação de herbicida, pois não foi possível aqui realizar em devido tempo a mais benigna operação de corte repetido da rebentação. Ao longo do vale do Lousadelo, para além da dificuldade de movimentação originada pelas ramadas de eucalipto que ficaram no solo, constata-se a relativa abundância de plantas nativas rebentadas após a destruição causada pela queda dos eucaliptos: carvalhos, murtas, medronheiros, sobretudo. A encosta voltada para a represa é bastante inclinada e com orientação norte, o que favorece a presença do carvalhal. Esta área consta no PDM de Águeda como área de “Espaços Naturais”. O problema é que um espaço não se transforma em “natural” só porque assim está no instrumento de ordenamento. Aliás, o mesmo Estado que produz um instrumento como este também faz coisas como licenciar plantações de eucaliptos nesses mesmos espaços que considera “naturais”, o que parece uma manifesta contradição. Ou será que “naturais” é um termo ambíguo?! A verdade é que se nos detivéssemos demasiado em discussões à volta do assunto, provavelmente não faríamos o que realmente é necessário para tornar esse espaço “natural”: semear bolotas, para começar!

Screenshot 2019-10-31 14.46.21
Um bonito desenho de um “espaço natural” em torno da represa, de acordo com o PDM de Águeda
P_20191026_150649
A equipa chega ao local, depois de uma caminhada.
P_20191026_155054
A equipa trabalhou entre eucaliptos secos e a expectativa de uma paisagem melhor, no futuro.
P_20191026_155224
Bons locais de sementeira encontram-se frequentemente junto ás próprias toiças desvitalizadas dos eucaliptos.
P_20191026_171210
Uma perspectiva para nascente de uma paisagem ainda sombria.
P_20191026_171216
A represa, com muito ainda para fazer para que a paisagem do seu entorno seja de facto “natural”. Mas já estivemos mais longe…

A equipa foi progredindo durante a tarde, mas ainda ficou muito longe de semear toda esta área, com quase 3,5 ha. Voltou à base da Quinta, para o lanche e a foto de encerramento.

DSC00775
A equipa deste dia, no final.

Fez-se uma boa estimativa de 11 000 bolotas semeadas (a expectativa referida na peça da SIC era demasiado optimista, 500 bolotas por dia por voluntário é mais realista!), que já deram “entrada” no “bolotómetro” da Grande Bolotada Ibérica! Obrigado a todos os presentes nesta jornada!

Marcamos desde já encontro para mais uma grande bolotada, já no próximo dia 9 de Novembro. Até lá, com expectativas positivas de mais uma generosa equipa de voluntários!

Paulo Domingues

One Reply to “1ª Jornada de Sementeira de Bolota”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s