1ª jornada de Primavera

Depois de um Inverno quase sem jornadas eis que a dinâmica voluntária regressou ao Cabeço Santo com uma jornada “a sério”.

A equipa de 6 voluntários dirigiu-se de manhã para a zona entre o Chão do Linho (margem norte do ribeiro) e o Vale de Barrocas (margem sul) para realizar trabalhos de arrumação de ramadas (de desbastes e selecção de rebentos aí realizados no Inverno), corte de mimosas e controlo de silvado. E ainda outros trabalhos como a retirada dos tubos de protecção das árvores que tinham sido colocados aquando da plantação. Mas, ainda antes de lá chegar, teve uma surpresa desagradável e infeliz: constatou que a florida bordadura do caminho florestal logo a seguir ao Feridouro tinha sido pulverizada com herbicida, e ficou no estado que a foto documenta:

Estado da bordadura do caminho

Não podemos deixar de lamentar estas intervenções, aliás não apenas aqui mas em muitos outros locais onde são um inútil desperdício de recursos de uma sociedade que parece incapaz de conviver com as plantas que fazem parte da sua paisagem.

Mas, passemos adiante. A zona do Chão do Linho foi uma das primeiras a jusante da mata da Altri Florestal a ter intervenção, por volta de 2014. Estava na altura impenetravelmente invadida com mimosas, em ambas as margens. As poucas árvores e arbustos autóctones que aqui existiam foram gravemente danificados quando as mimosas foram retiradas, mas foram recuperados e hoje estão mais crescidas do que as entretanto plantadas. Mas estas, embora crescendo mais lentamente, também cá estão, e incluem algumas espécies que não são habituais nesta paisagem, como o freixo e o carvalho-cerquinho. A margem sul foi afectada pelo incêndio de 2017 e a memória desse evento ainda está presente em muitos detalhes da paisagem.

Perspectiva do local: no vale dominam as árvores enquanto na encosta, em segundo plano, o matagal em flor ainda é senhor da paisagem. (A)
O entorno do ribeiro já se parece bastante com uma floresta… (A)

Aqui os principais trabalhos de manutenção que é necessário realizar são o corte da vegetação espontânea oportunista, essencialmente o silvado, o cuidado das árvores (selecção de rebentos, desramação) e o corte das mimosas que ainda vão aparecendo. Na margem sul, fruto do incêndio de 2017, apareceram novas manchas, que agora devem ser abordadas.

Remoção de tubos. Está árvore terá sido plantada em 2015
Trabalhos de arrumação de ramadas
Monte de ramadas arrumadas

Os trabalhos decorreram com dinâmica durante a manhã, só pausando para uma foto ou para uma laranja do Feridouro!

Depois de um almoço à sombra dos carvalhos recentemente vestidos, a equipa fez uma pequena caminhada até ao antigo caminho de ligação entre Belazaima e Belazaima-a-Velha para observar uma plantação recente aqui realizada pela Quinta das Tílias numa área de 3 ha. E não só! Na Primavera há sempre tanto para apreciar!

Caminhada (A)
Linaria triornithophora
Carqueja florida e carvalho
O ribeiro com arte (A)
Uma aranha em posição de espera (A)
Observação de uma zona recentemente plantada (A)
Carvalho plantado um mês antes

Depois da caminhada já não se fez muito trabalho aqui. Rumou-se à zona da Benfeita/Vale da Estrela, junto a Belazaima, para fazer um difícil trabalho de arrumação de árvores (eucaliptos, austrálias) e ramadas que aqui foram deixados espalhados porque não era possível recolhê-los para lenha. O corte destas árvores fez parte de um trabalho de remoção dos eucaliptos que ainda ocupavam as declivosas encostas do Vale da Estrela, tendo sido colhidas as árvores que era possível aproveitar para lenha.

A dificuldade deste local decorre dos elevados declives das encostas, onde às vezes é difícil uma pessoa manter-se em pé, quanto mais arrumar lenha! Também aqui foram plantadas (no final do Inverno) algumas árvores, que têm agora um longo caminho até ensombrar estas encostas onde o silvado e outras trepadeiras crescem vertiginosamente. Finalmente, a equipa ainda recolheu dois sacos de lixo (há pessoas que pensam que uma encosta inclinada faz desaparecer o lixo!)

A encosta onde se realizou o trabalho, já depois de este estar concluído
Árvore este ano aqui plantada
Encosta de solo pobre, mas florida, logo ali ao lado.
O carvalho “do Vale da Estrela”
Foto de encerramento

E foi junto a um carvalho que fica mesmo em cima do Vale da Estrela, no ponto onde ele é atravessado pelo caminho florestal, que a foto de encerramento da jornada foi tirada. Tinha sido uma jornada produtiva e animada! Na próxima jornada, no dia 1 de Maio, parece que vamos ter visitas… Mais não dizemos, mas, sim, seria interessante ter uma generosa participação voluntária. Vamos a isso? Até lá!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s