Visita ao Cabeço Santo

Como ficou de alguma forma prometido, aqui fica uma perspectiva escrita e ilustrada de uma visita ao Cabeço Santo, em pleno mês de Maio (dia 11), mês das flores, das cores, da exuberância…

Mas, ainda antes de atingir as cotas mais elevadas do cabeço, pelo caminho florestal que parte da estrada para Agadão, uma nota sobre o oposto (ao esperado). Primeiro, um eucaliptal completamente invadido com Acacia melanoxylon, uma visão apesar de tudo pouco vulgar, mas que deixa uma forte impressão. Pouco acima, uma visão que vai sendo cada vez mais vulgar, embora não dominante: um eucaliptal onde o matagal foi eliminado por aplicação de herbicida. Um verdadeiro deserto com árvores.

DSC_5118
Duplamente exótico: um “bosque” de eucalipto e acácia-austrália (Acacia melanoxylon)
DSC_5120
Duplamente impactante: uma plantação de eucaliptos com eliminação do matagal com herbicida

Mas logo entramos na Mata da Altri Florestal e na área de intervenção do projecto, embora numa zona onde praticamente nunca se realizou trabalho. O panorama não é, contudo, completamente desanimador: numa área nunca verdadeiramente explorada, por marginal, os eucaliptos presentes serão todos de origem seminal, e os medronheiros, que sempre lá estiveram, vão coexistindo como podem… Estamos no vale nº 1.

DSC_5121
Vale nº 1 (abaixo do caminho da mata): medronheiros e eucaliptos dispersos

Mas é no vale nº 2 que as coisas se animam. Logo ali um Halimium ocymoides, à justa ainda apanhado com flor, pois em geral perdem já as vistosas pétalas. Depois, uma perspectiva geral desta zona do vale, onde as áreas estritamente rupícolas se combinam com o matagal e o medronhal.

DSC_5123
Halimium ocymoides
DSC_5159
Vista geral, vale nº 2 (Vale de São Francisco)
DSC_5125
Diversidade da vegetação arbustiva em solo esquelético

Logo ali uma umbelífera muito característica destas áreas, mas que não sei chamar pelo nome… A seguinte, sim, o tojo mais abundante aqui em cima, a Genista triacanthos, que agora cintila de amarelo.

DSC_5128
Umbelífera não identificada
DSC_5131
Genista triacanthos (tojo-molar)

Embora não tão aprazível, não deve ser omitida uma observação das áreas de acácia-de-espigas que por aqui ainda existem. Aqui se trabalhou sobretudo nos primeiros anos do projecto (2007-2009), mas depois ficaram desatendidas, e eis o resultado… Claro, há que voltar aqui algum dia!

DSC_5135
Mancha de acácia-de-espigas…
DSC_5136
… às vezes tão densas, que é difícil passar.

Mas, para compensar esta visão preocupante, logo a seguir outra bem mais reconfortante: uma das flores mais raras e elegantes do cabeço, que é necessário procurar bem (e no momento certo) para se poder observar. Aí está ela, a erva-língua, a única orquídea desta paisagem e de certo modo um símbolo do Cabeço.

DSC_5139
Serapias lingua (erva-língua)

Muito mais fácil de observar, e repleto de insectos, é o rosmaninho, que se encontra por vezes quase sobre as rochas, e que é também uma planta virtualmente inexistente fora destas áreas de conservação.

DSC_5141
Rosmaninho (Lavandula stoechas subsp. stoechas)

A seguir vale a pena admirar uma árvore que é um exemplo notável da tenacidade nesta paisagem difícil para as plantas de maior porte: um sobreiro, mas um sobreiro especial: única planta deste porte num raio de várias centenas de metros (exceptuando os eucaliptos), foi também a única planta desta área que recuperou a parte aérea depois do incêndio de 2005, ainda conservando algumas das suas cicatrizes. Recuperando e crescendo lentamente, apresenta agora uma copa densa e atractiva. Infelizmente, tem a companhia de algumas acácias-de-espigas. Um dia destes havemos de ir lá cuidá-la… e admirá-la.

DSC_5147
Sobreiro do vale nº 2

Logo ali ao lado, domina contudo a vegetação rupícola, com toda a sua diversidade e beleza, de pequenas plantas capazes de sobreviver em condições muito frugais…

DSC_5148
Predominância de arroz-dos-telhados
DSC_5149
Comunidade florística diversa
DSC_5150
Recanto
DSC_5153
Recanto dominado por gramíneas
DSC_5156
Recanto onde se destaca Urginea maritima, que só floresce muito mais tarde
DSC_5163
Perspectiva das rochas e da sua vegetação
DSC_5165
Gladíolo silvestre, uma das flores mais fáceis de observar por aqui
DSC_5167
Dente-de-leão
DSC_5169
Detalhe da flor de dente-de-leão

Uma das plantas do matagal mais bem distribuídas é o sanganho-mouro (Cistus salvifolius), cujo pico de floração já passou: aproveitemos para admirar as últimas deste ano, e também uma planta bastante abundante nas bermas dos caminhos, mas que ainda não foi identificada (P.S.: um voluntário identificou-a entretanto como Sesamoides purpurascens):

DSC_5176
Detalhe da flor de sanganho-mouro
DSC_5173
Sesamoides purpurascens
DSC_5174
Sesamoides purpurascens (detalhe)

Mas, não se pode atravessar esta área sem voltar a atentar na sua principal ameaça: a acácia-de-espigas. Ali, um pequeno canteiro, onde um número elevado de pequenas plantas ocorre: sem dúvida, plantas de origem seminal. Mas, dois minutos bastaram para as remover. Dois ou três anos depois seria impossível. A sério, temos de voltar a esta área de vez em quando…

DSC_5180
Pequena área com acácia-de-espigas de origem seminal
DSC_5181
Dois minutos depois…

Não longe daqui, um dos limites de propriedade mais bem demarcados de toda a região: a extrema entre a mata da Altri e a propriedade da Quercus! Uma “fortificação” em pedra, a fazer lembrar a grande muralha da China! E, cúmulo do espanto, vigiada por um guarda (conseguem vê-lo?!).

DSC_5185
A vigiada “fronteira” entre a Quercus e a Altri Florestal

Mas voltemos às acácias: seguindo para o vale nº 3, a coisa fica mais “preta”: arbustos de elevado porte, e, mais uma vez, muita germinação de sementes, mas desta vez por razões fáceis de levantar: uma máquina passa por aqui de vez em quando para arranjar o caminho, e a perturbação do solo é o “fósforo”… As vagens deste ano, é claro, já são bem visíveis.

DSC_5187
Zona de ocupação bastante agressiva com acácia-de-espigas, com germinação abundante nas bermas do caminho (Vale nº 3)
DSC_5188
A abundante produção de sementes da acácia-de-espigas

Convém olhar um pouco mais para longe: do outro lado do ribeiro, a preciosa área de Vale de Barrocas, ainda “em construção”…

DSC_5189
O Vale de Barrocas visto do Cabeço Santo

De vez em quando encontram-se exemplos interessantes de “convivência” entre espécies nativas e invasoras,… ou será mais um cerco?!

DSC_5192
Aparente harmoniosa convivência…
DSC_5193
Aqui parece mais uma “luta corpo-a-corpo”

Uma visita à cabeceira do monte permitiu apreciar os carvalhos aqui plantados há alguns anos pela Altri Florestal, numa área que já esteve densamente ocupada por acácia-de-espigas: a taxa de sobrevivência não foi elevada, mas as árvores que sobreviveram lá vão fazendo o seu caminho, crescendo devagar. Claro, nada que se pareça com um eucalipto!

DSC_5198
Carvalhos plantados pela Altri Florestal na zona de cabeceira do vale nº 2

Já do outro lado da cumeada do Cabeço Santo, surge de repente um cenário impactante:

DSC_5207
Cena perturbadora e impactante
DSC_5209
Vista encosta abaixo

É difícil não sentir, não sei, um arrepio, uma angústia, um sentimento de… deve, tem de haver uma maneira melhor, mais harmoniosa, mais “leve” de obter da terra o que necessitamos dela, que não seja a vergá-la, a violentá-la segundo uma lógica que parece mais ser de morte que de vida. Ocorreu-me a história da galinha dos ovos de ouro…

Mas voltemos ao outro lado do cabeço, para apreciar o medronhal, agora já na cabeceira do vale nº 4. Esta área bastante extensa de solos marginais, mas com bolsas de solo mais fértil, tem muitos eucaliptos dispersos a necessitar de serem removidos e também manchas e plantas isoladas de acácia-de-espigas, mas o medronhal está também já bastante bem implantado.

DSC_5215
Medronhal (Vale nº 4)

Mais complicada tem sido a “história” do vale nº 5: muito trabalho já realizado, mas frequentes surtos de retrocesso: aqui, parece que nem os descasques de mimosa têm funcionado!

DSC_5220
Vista do Vale nº 5 com medronheiros, carvalhos, salgueiros, mimosas descascadas já secas, mas…
DSC_5221
… algo correu mal: estão quase todas a rebentar pela base!

Ficou a faltar uma perspectiva dos Vales nºs 6 e 7, e também uma análise das cotas mais baixas, onde a “situação” é, em geral, diferente da das cotas mais elevadas.

Este “percurso” pelas cotas mais elevadas do Cabeço Santo tem também cabimento porque este ano decidiu-se não realizar a jornada anual de visita, prevista para 16 de Maio. Em vez dela, realizou-se uma visita de trabalho à zona ribeirinha, limitada aos corpos sociais da Associação Cabeço Santo e alguns voluntários mais comprometidos, mas de maneira a não exceder 10 pessoas…

Mas dessa visita e do que nela se planeou, haverá notícias em breve nas páginas deste blogue. E também das jornadas de trabalho voluntário que, com restrições, se planeiam já para finais de Maio.

Até breve.

Paulo Domingues

2 Replies to “Visita ao Cabeço Santo”

  1. A planta não identificada poderá tratar-se da Sesamoides purpurascens ou a congénere Sesamoides pygmaea (mas que não creio) ou ainda talvez a Reseda phyteuma. Contudo deposito mais fé na primeira.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s