Bolotada de 7 de Dezembro

Já quase perdemos a conta às bolotadas deste Outono, e no dia 7 de Dezembro tivemos mais uma. Uma equipa pequena em número, mas grande em determinação, continuou durante a manhã a semear na zona das Costas do Rio / Pé torto, avançando para nascente a partir da área já antes semeada. Foi um trabalho difícil e exigente, devido às características do terreno: inclinado e muito irregular devido a uma mobilização antiga para plantação de eucaliptos, com muitas ramadas depositadas e ainda os fetos (em pé) da última estação de crescimento. Um daqueles locais que parece de todo inadequado para exploração florestal de eucalipto, mas nesta terra o que é que não se considera adequado, desde o proprietário ao regulador?!

Para além da dificuldade de progressão, havia ainda a dificuldade de organização da equipa no terreno: simplesmente como avançar sem sobreposições nem ausências de cobertura. Pelo lado positivo, os muitos carvalhos que íamos encontrando, demonstrando não se tratar de um terreno desadequado para a espécie que estávamos a semear. Também loureiros e murtas apareciam com frequência.

PSX_20191207_214401
Carga de equipamentos e materiais (PV)
PSX_20191207_215834
O terreno da manhã foi difícil… (PV)
DSC00812
… mas a equipa progrediu o melhor que pôde
DSC00817
Um terreno declivoso, já mobilizado no passado, e ainda com rebentos de eucalipto
DSC00820
Os pequenos carvalhos já presentes são frequentes
DSC00822
Carvalho de rebentação, após os últimos cataclismos (fogo, abate e remoção de eucaliptos) que por aqui passaram
DSC00827
Um grande carvalho, do outro lado do ribeiro, já com muito para “contar”
DSC00824
Lá em baixo, corriam as águas abundantes do ribeiro

A manhã foi dura mas a equipa foi progredindo em direcção à língua de terra, em forma de península, que dá o nome a este lugar: pé torto. E quando estávamos a chegar aí… acabou a manhã!

O almoço foi na base da Quinta das Tílias e de prato quente, gentileza de uma voluntária cozinheira. Como a manhã tinha sido exigente, a tarde fez-se mais leve: o destino foi a encosta em frente ao Feridouro, um terreno ainda inclinado, mas com um perfil regular e cujo matagal tinha sido recentemente cortado [A equipa de operacionais, da Associação Florestal do Baixo Vouga, esforçou-se por poupar toda a vegetação autóctone presente, e foi bem sucedida. Obrigado!]. Já tínhamos estado aí, mas numa cota superior. Avançou-se bastante, mas ainda ficou a faltar uma área em torno do principal vale que aqui se encontra. E trabalhou-se até quase escurecer, tirando-se a foto de despedida ainda no terreno, já em ambiente crepuscular.

DSC00828
À tarde, já num terreno muito mais fácil de percorrer
DSC00835
Um jovem loureiro, já com três palmos de altura
PSX_20191207_212800
Voluntário a semear, junto a um toco de eucalipto em decomposição (PV)
PSX_20191207_213401
Esta é, pode-se dizer, a Estação por excelência dos decompositores (PV)
PSX_20191207_214745
Também uma boa Estação para observar anfíbios, como esta rã, ou a salamandra-lusitânica (PV)
PSX_20191207_212443
Para além dos carvalhos e dos loureiros, também aqui a murta era uma planta frequente. (PV)
DSC00840
A equipa do dia, ainda no terreno de sementeira

Mais uma boa contribuição para a Grande Bolotada Ibérica, e, como ainda temos bolotas e espaço para as semear, tudo indica que iremos continuar com uma Bolotada do Solstício, ou de Natal, como preferirem, no dia 21 de Dezembro, para concluir devidamente o Outono e o ano voluntário de 2019!

Obrigado a todos os voluntários e ao Paulo Vinagre (PV) pelas suas fotos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s