Jornada de visita

Num dia fresco e depois de alguns dias de chuva, realizou-se a jornada de visita ao Cabeço Santo no dia 11 de Maio. Reunido o grupo junto à capela do Feridouro, iniciou-se a subida do cabeço com o Vale de S. Francisco à vista, como é habitual. Algumas melhorias desde o ano passado aí podiam ser observadas, resultantes dos trabalhos realizados por uma equipa da Associação Florestal do Baixo Vouga no coração do vale.

A chegada ao terreno da Quercus é sempre um momento especial, não obstante poucos trabalhos aí se terem realizado nos últimos anos. Depois, o atravessamento de uma parcela de 6 ha cujo eucaliptal foi recentemente removido e que se prevê reconverter, sendo a conservação uma das principais funções a implementar. Finalmente a subida final até à cota dos 380 m e respirar de alívio!

DSC_4277
O terreno da Quercus no Cabeço Santo
DSC_4278
O atravessamento, algo árido, de um eucaliptal recentemente cortado mas com reconversão prevista
DSC_4280
Com a chegada à cumeada entre os vales nºs 1 e 2, começaram a aparecer coisas interessantes. Aqui Halimium ocymoides habitado

No antigo caminho de serviço da mata da Altri Florestal revimos algumas das espécies florísticas mais características do monte, e que é sempre emocionante reencontrar, por vezes apenas uma vez por ano!

DSC_4283
Já no antigo caminho da mata, bole-bole e batón-azul.
DSC_4284
Rosmaninho e o seu cortejo de insectos
DSC_4285
Vegetação rupícola, sobretudo do género Sedum
DSC_4287
Camomila e dente-de-leão
DSC_4289
A única árvore de toda esta área já existente antes de 2005, um sobreiro
DSC_4293
Um lagarto veio ver o que se passava
DSC_4296
Insecto em flores de urze-das-vassouras (Erica scoparia)
DSC_4297
Bonita composição espontânea de rosmaninho e salsaparrilha-bastarda
DSC_4298
Perspectiva, lá de cima do terreno das Bicas de Aguadalte (6 ha), a reconverter
DSC_4299
Anarrhinum bellidifolium
DSC_4306
Perspectiva, lá de cima, da área do Vale de Barrocas, no cabeço do Meio, já em processo de reconversão.
DSC_4307
Um dos poucos carvalhos existentes nesta zona do cabeço, com uma construção singular não identificada
DSC_4313
Participante deleitando-se com o jardim espontâneo
DSC_4315
O vale nº 5, quase a terminar esta interessante parte do percurso

E assim se atravessaram as cabeceiras dos vales nºs 2 (Vale de S. Francisco), 3, 4, 5, e o 6 já na descida.

A descida de volta à zona ribeirinha é sempre a parte mais apressada da visita, não apenas por ser a descer, mas por aí dominarem eucaliptos e mimosas, estas sobretudo na zona inferior do vale nº 7, que não se chega a atravessar. Para compensar, a chegada ao ribeiro é sempre muito agradável.

Depois da ponte pedonal inicia-se o percurso ribeirinho, e, ao longo dos 700 metros seguintes usufrui-se da sombra e da frescura proporcionada pelas muitas árvores que aqui foram plantadas e protegidas ao longo dos últimos nove anos. Ainda com dois atravessamentos do ribeiro um tanto precários, mas esperam-se melhorias para um futuro próximo.

DSC_4324
Um dos atravessamentos precários do ribeiro
DSC_4327
O percurso prossegue, agora sob as copas dos carvalhos plantados e recuperados pelo projecto ao longo da zona ribeirinha
DSC_4328
Fila para outro atravessamento precário

A zona ribeirinha do “Pé torto”, em muito mau estado, ainda se encontra à espera da intervenção de uma equipa profissional, pelo que, de momento, não é de visita muito atractiva. Deste modo, cortou-se caminho pelo acesso principal, em direcção a Vale de Barrocas, para apreciar o estado de uma área onde se têm realizado os principais trabalhos mais recentes do projecto. Aí se desceu ao ribeiro, para retomar o percurso do PR8.

DSC_4334
À chegada ao Vale de Barrocas, um carvalho de origem seminal
DSC_4335
Perspectiva do Vale de Barrocas

E daí até ao Feridouro foi um saltinho, sempre acompanhando a encosta ribeirinha da margem norte do ribeiro. A chegada ao Feridouro, com os seus grandes carvalhos dando um belo enquadramento ao património construído, é um momento que dá gosto reviver cada ano.

DSC_4337
Depois do último atravessamento do ribeiro
DSC_4339
Carvalhos da zona ribeirinha do Vale de Barrocas
DSC_4343
A chegada ao Feridouro

E a jornada foi encerrada com o tradicional almoço junto à capela do Feridouro, já com um número diminuído de participantes.

DSC_4347
A foto de um grupo de participantes já reduzido, depois do almoço junto à capela do Feridouro

Foi bom, mas agora estamos quase a voltar ao trabalho! Muito calor previsto para dia 1! Vamos tentar adaptar-nos o melhor possível! Até lá.

Paulo Domingues

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s