1ª Jornada de Primavera: adiada

Eis que o facto mais ansiado desta Primavera, um Abril cheio de chuva, para minorar a sede da terra e das plantas, se tem verificado, e por isso desta vez os voluntários disponíveis para a 1ª jornada de Primavera não ficaram tristes quando se anunciou um dia chuvoso para a data marcada. E com efeito ele foi ainda mais chuvoso do que previamente anunciado, só lá para as 16 horas passando a regime de aguaceiros. Uma noite e um dia quase inteiro cheios de uma chuva suave e penetrante!

Eis uma foto de um carvalhal tirada já pelo fim da tarde:

Depois de um dia de chuva...

Não se sente o tapete de folhas do ano anterior a emitir aquele cheiro característico? Não refrescam as gotas que caem das árvores movidas por uma brisa? Não se adivinha o chilreio das aves na sua azáfama Primaveril? Senão de verdade, talvez com a imaginação…

Agora voltemos às jornadas: felizmente tornou-se possível transferir a jornada de Sábado, 21 para Sábado, 28, pelo que a 1ª Jornada de Primavera ainda poderá realizar-se. Isto se não chover, claro!

Até dia 28!

4 Replies to “1ª Jornada de Primavera: adiada”

  1. Caro amigo,
    Minúsculo, de facto, se comparado com a dimensão dos eucaliptais que o circundam. Mas enorme se comparado com o carvalhal que aqui existia há 20 anos, quando este mesmo espaço era um eucaliptal. É para que as gerações futuras tenham mais carvalhais (e outras formações espontâneas) do que à nossa foi dado usufruir que o Projecto Cabeço Santo existe.

    1. Viva

      como penso que é claro, não é uma critica.
      É uma triste constatação do estado incaracterística a que a paisagem litoral do norte e centro chegaram.
      Acho fantastico o que vocês estão a fazer, quanto mais não seja pelo aspecto didactico para as futuras gerações, e como exemplo para outros projectos similares!

      bem hajam

      João

      1. Caro João,
        Obrigado pela apreciação e pelo incentivo. São sempre um bálsamo.
        Quanto ao resto, plenamente de acordo. O estado da paisagem e da biodiversidade na nossa região é tão crítico que todos os esforços são pequenos mesmo apenas para ensaiar um processo mais vasto de recuperação. E no entanto nunca o ser humano dispôs de tanto poder nas suas mãos! Uma aparente contradição!

Deixe uma Resposta para Paulo Domingues Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s