Segundo CTV

1º dia, Sábado, 28 de Outubro

Colhidos os participantes em Aveiro, rumou-se a Belazaima com 10 minutos de atraso sobre o horário previsto. Chegados a Belazaima houve que fazer ainda algumas preparações, conferir as presenças, tentar contactar os inscritos ausentes… De referir, como nota negativa, a falta de dois participantes sem qualquer aviso. Recolhido o almoço e o lanche, eram já 10:30 horas quando se iniciou a viagem para o Cabeço Santo. Tentou-se ir pelo Feridouro, seguindo o caminho de Belazaima-a-Velha, mas, logo a seguir ao Feridouro se verificou que o caminho se encontrava obstruído na mata da Celbi, devido a trabalhos de remoção de madeira. Foi então necessário voltar para trás e subir a encosta a partir da estrada para Agadão.

Chegado ao Cabeço, o grupo reuniu-se próximo da extrema sudeste do terreno que será adquirido pelo Fundo de Conservação (F. C.) da Quercus, e aí ouviu uma pequena explicação acerca dos objectivos do trabalho e da sua razão de ser. Depois iniciaram-se os trabalhos, que se desenrolaram entre os terrenos da Celbi e da Quercus, e que incidiram sobretudo nas plantas de origem seminal de Acacia longifolia e também de Hakea sericea. Mas, logo chegou a hora do almoço e o grupo fez uma pausa.

Da parte da tarde os trabalhos evoluíram ao longo da extrema Quercus/Celbi, arrancando grande número de plantas de Hakea sericea, não obstante ao longo desta extrema as plantas mãe dessa espécie serem relativamente raras, devido às características do solo, que não permitiram a sua plantação. Não será excessivo assinalar o valor também simbólico deste acto: plantadas para demarcar e dividir, o arranque dessas plantas exóticas, invasoras e de espinhos agressivos representa também a união de esforços de duas entidades, neste caso a Quercus e a Celbi, para recuperar e conservar um património que não precisa de barreiras mas de actos de união e cooperação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Vista do terreno da Quercus e do Vale de São Francisco em direcção ao Feridouro
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Pouco mais de um ano depois do fogo esta zona já se encontra bem revestida
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Como esconderijo, contudo, ainda não dava…
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Cebola-do-mar-albarrã, longe do mar, mas quase à vista dele

O calor que se fez sentir durante a tarde, com temperaturas inesperadamente elevadas para a época do ano, tornou a vida difícil, sobretudo aos mais jovens elementos da equipa, que não puderam esconder algum desalento. Também contribuiu para isso a maior dispersão dos participantes pelo terreno, fazendo desvanecer um certo espirito de grupo. A demonstrar isso esteve o facto de, uma vez chegados ao extremo nordeste do terreno do F.C., os participantes terem agora passado a andar em muito maior proximidade, arrancado sobretudo eucaliptos de uma estreita faixa do terreno da Celbi na zona de protecção norte. Aqui, a dinâmica parece ter-se multiplicado, ajudada pela sombra de uns eucaliptos vizinhos, a oeste.

E foi assim que se chegou à hora do lanche, de sumos e pão com marmelada. O calor fez com que o consumo de água fosse muito maior que o previsto, e, por esta altura, já se tinha esgotado a água de beber. Movidos pela sede, alguns elementos decidiram provar a água de uma das muitas correntes de água superficial que agora corriam pelo monte abaixo. Movidos pelas notícias de que era boa, e não obstante alguns receios, quase todos os participantes terão bebido pelo menos um copo. Embora alguns considerassem que sabia a eucalipto, a verdade é que ninguém reportou ter-se sentido indisposto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Voluntários descansam à sombra dos eucaliptos, num dia inesperadamente quente
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
As águas superficiais, contudo, já eram abundantes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Momento de descontracção numa escarpa. Mas… ops! Cá em baixo há trabalho a realizar!
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Este também é o tempo dos cogumelos, mas este num sítio invulgar

Refrescados por este bálsamo da natureza, os participantes voltaram ao trabalho, dividindo-se agora de novo. Os mais jovens continuaram nos eucaliptos, os mais veteranos foram à procura de acácias na zona a nascente do caminho florestal da Celbi. E não tiveram que procurar muito para as encontrar, pois que as novas manchas surgidas após o fogo são anunciadas pelas plantas mãe queimadas, com o seu característico aspecto de tronco descascado.

E assim o dia se aproximou do fim, presenteando os participantes com um bucólico pôr-do-sol, tornado ainda mais magnífico pela elevação do monte sobre as extensas terras baixas do litoral a oeste.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Pôr-do-sol, lá de cima, do cabeço

Seguiu-se o regresso à aldeia, já ao anoitecer. Um pequeno incidente com a chave do pavilhão (que não se encontrava no local esperado) ainda ia levando o organizador do campo (e autor destas linhas) aos limites da paciência (embora a responsabilidade pelo sucedido fosse inteiramente sua), mas o caso acabou por ter uma solução elegante. Depois dos fundamentais duches nos balneários do pavilhão, seguiu-se um jantar no restaurante Carioquinha, após o qual nos despedimos dos quatro elementos de Vouzela/Oliveira de Frades que aqui terminavam a sua participação.

Depois do jantar, o grupo, agora reduzido aos escuteiros, reuniu-se no bar do Pavilhão para uma sessão nocturna. Feita uma apresentação oral dos diversos documentos existentes em DVD, o grupo fez a escolha para o serão: o documentário sobre o Endurance! Felizmente que não estavam presentes participantes do 1º CTV…

2º dia, Domingo, 29 de Outubro

O dia iniciou-se com o pequeno almoço no bar do Pavilhão e a recepção aos participantes de Domingo. Ajudado pela mudança de hora legal, o grupo reuniu-se com pouco atraso em relação à hora prevista junto ao pavilhão para dar início à actividade prevista: fazer bolas de sementes. Depois de uma pequena explanação sobre o uso de bolas de sementes no contexto do trabalho de restauração ecológica, foi feita uma demonstração do fabrico da massa para as bolas. A recordar: misturam-se 5 partes de argila com 3 partes de composto, e pode-se ainda adicionar um repelente e bioactivadores. Neste caso a argila usada foi pó de argila vermelha proveniente da aspiração de poeiras de uma empresa de cerâmica. O composto foi proveniente de minhocultura. Embora nesta demonstração nada mais se tenha adicionado, porque não estava disponível, em outras massas para bolas a fabricar este ano usei pimenta branca como repelente e ecto-micorrizas (sob a forma de esporas de fungos) como bioactivador, um produto comercializado sob o nome de AEGIS-Ecto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Demonstração da técnica
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Ao trabalho!
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Fácil e divertido!
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
“Não foi faz-de-conta, estive mesmo com as mãos na massa!”

Feita a massa, os participantes tiveram a oportunidade de pôr as mãos nela e fazer bolas de sementes. As sementes foram bolotas de carvalho e sobreiro e ainda castanhas. Já tinham sido colhidas há algum tempo e estavam guardadas em areia humedecida, onde rapidamente iniciam a sua germinação. Como aquelas que já se encontravam germinadas não eram apropriadas para fazer bolas, procedeu-se também à sementeira destas em tabuleiros de alvéolos próprios para árvores. Estas plantas passarão o resto do Outono e o princípio do Inverno em estufa e serão plantadas no campo logo que o torrão esteja consolidado e a árvore tenha pelo menos um palmo de altura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Fez-se também sementeira em tabuleiros de alvéolos
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Trabalho dentro de portas realizado!

Os trabalhos continuaram até se esgotar a massa para bolas e depois foi necessário arrumar todo o material e os tabuleiros semeados. No programa estava prevista ainda para a manhã a ida ao Cabeço Santo para semear as bolas, não as acabadas de fazer, claro, porque ainda estavam frescas, mas outras que tinham sido preparadas previamente. Só que havia um problema: o terreno alvo da sementeira era a parte do terreno a adquirir pelo F. C. que tinha eucaliptos, e só era viável fazer a sementeira quando estes fossem retirados por uma empresa madeireira. O atraso desta nessa retirada fez com que só no 1º dia deste 2º CTV esses trabalhos tivessem sido iniciados. Logo, o terreno ainda não estava disponível. Assim, optou-se por não ir ao Cabeço Santo e semear as bolas num terreno mais próximo (Fonte do Porco) no qual eu estou a realizar trabalhos de restauração ecológica. Deste modo, houve tempo para ir almoçar ao carvalhal da Ponte Nova, e só depois à sementeira. A sementeira faz-se começando por soltar o solo com uma forquilha de quatro dentes rectos, ao mesmo tempo que se sonda a profundidade e, em geral, a qualidade do solo para o efeito. Se for apropriado, coloca-se a bola e cobre-se ligeiramente com solo. Na vizinhança do vale deu-se preferência a carvalhos e castanheiros, na vizinhança do cume, aos sobreiros.

2 campo ale (104)
Na Ponte Nova vale sempre a pena tirar uma foto para recordar!
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Sementeira

E assim se passou a tarde, até cerca das 17 horas, horário previsto para o fim do CTV. Reunidos de novo no Pavilhão, os participantes lancharam, arrumaram as suas coisas e preparam-se para a partida.

No total houve 21 participações neste CTV, embora apenas 11 nos dois dias de trabalho.

Até a um próximo Campo de Trabalho!

Paulo Domingues